Domingos Montagner foi o terceiro protagonista da Globo a morrer durante exibição de novela

Notícias

por Thell de Castro 0 visualizações

210916-montagner-1100x600.jpg





A morte de Domingos Montagner na semana passada, após mergulhar no município de Canindé (SE), no leito do rio São Francisco, comoveu o Brasil. O ator foi o terceiro protagonista de uma novela da Globo a morrer durante o período de exibição da trama. Os outros casos, que também repercutiram em todo o País, foram de Sérgio Cardoso, de O Primeiro Amor, em 1972, e Jardel Filho, de Sol de Verão, em 1983.

Sérgio Cardoso vivia o professor viúvo Luciano em O Primeiro Amor quando morreu vítima de um ataque cardíaco no dia 18 de agosto de 1972, no Rio de Janeiro, aos 47 anos.


Marco Nanini e Sérgio Cardoso em O Primeiro Amor

Faltavam apenas 28 capítulos para o desfecho da trama e ele teve que ser substituído por Leonardo Villar, que entrou em cena após um texto lido por Paulo José. A partir da morte do ator, surgiu uma famosa lenda de que ele teria sido enterrado vivo, fato que sempre foi negado por sua família.

Onze anos depois, a morte de Jardel Filho, protagonista de Sol de Verão, abalou o autor Manoel Carlos e o elenco da novela das oito. No dia 19 de fevereiro de 1983, o ator também sofreu um ataque cardíaco e não resistiu.

Veja também: 9 artistas que morreram no decorrer das novelas em que atuavam

Destacada no Jornal Nacional, a notícia caiu como uma bomba, tumultuando o desfecho da produção. A Globo encomendou uma pesquisa urgente para ouvir a opinião do público se continuaria ou não com a novela: 55% dos entrevistados acharam que a trama deveria ter um final.


Tony Ramos e Jardel Filho em Sol de Verão

Mesmo com boatos de que Jardel Filho seria substituído, a emissora preferiu simplesmente sumir com o personagem, após uma homenagem lida por Gianfrancesco Guarnieri. O experiente ator e dramaturgo assumiu a autoria da trama ao lado de Lauro César Muniz, já que Manoel Carlos declarou-se impossibilitado de prosseguir. No entanto, a novela não foi até a data prevista originalmente, sendo substituída por um compacto de O Casarão, de 1976, enquanto Louco Amor ficava pronta.

Outros casos

Além dos três protagonistas, existem alguns casos emblemáticos de morte de artistas durante o período de exibição das novelas em que trabalhavam.

O mais famoso foi o assassinato de Daniela Perez, filha da autora Glória Perez, em 28 de dezembro de 1992. Ela foi morta pelo ator Guilherme de Pádua, seu colega de elenco em De Corpo e Alma, e sua esposa na época, Paula Thomaz. Na trama, foi feita uma homenagem à atriz e a personagem Yasmin foi para uma viagem de estudos. O personagem Bira, de Pádua, simplesmente deixou de existir.

Outros casos são de Umberto Magnani, também em Velho Chico, Luiz Carlos Tourinho, em Desejo Proibido (2008) e Miriam Pires, em Senhora do Destino (2004).

Veja também: 9 artistas que morreram no decorrer das novelas em que atuavam