Escândalo envolvendo JBS e BRF preocupa emissoras de televisão



O Brasil acordou incrédulo nesta sexta-feira (17) com a notícia de que os frigoríficos BRF - dona das marcas Perdigão e Sadia, e JBS - que tem as marcas Friboi, Big Frango e Seara como suas líderes, entre outros, adulteravam produtos que vendiam para o consumidor.



Segundo a Polícia Federal, que deflagrou a operação Carne Fraca, os frigoríficos adulteravam a carne e embalavam novamente até mesmo produtos vencidos para se passarem por novos. Até mesmo merenda escolar foi adulterada, além de carne podre estar à venda até agora em supermercados.

O esquema fazia parte de uma propina paga pelos frigoríficos para afrouxar a fiscalização no Ministério da Agricultura. Vinha de pessoas de dentro do Ministério, que facilitavam a venda da carne e emitiam pareceres sem nem mesmo periciar o produto. Nada menos que 38 mandados de prisão foram cumpridos e 50 empresas do meio estão sendo investigadas, inclusive fornecedores dos grandes frigoríficos. Esse esquema era repassado para partidos políticos, e abasteciam principalmente políticos ligados ao PMDB, partido do presidente Michel Temer, e o PP.

A polêmica entre BRF e JBS atinge diretamente a televisão. Juntas, BRF e JBS hoje são duas das maiores patrocinadoras particulares da TV brasileira, anunciando em programas das quatro principais emissoras.

Segundo publicado na revista Época em agosto de 2015, a JBS chegou a gastar com propaganda de televisão quase R$ 100 milhões no ano de 2014. Já a BRF, também segundo a mesma publicação, gastou, apenas com TV, quase R$ 80 milhões.

Estes são os registros mais recentes de quanto as duas empresas gastaram. Como são particulares, elas não divulgam publicamente o quanto gastam em anúncios. Mas ambas as empresas têm relação estreita com a TV.

Por pelo menos 18 anos, a Sadia foi a patrocinadora máster da novela das 19 horas da Globo. Sempre ao fim da trama do horário, um comercial entre a novela e Jornal Nacional era exibido, de forma exclusiva. Antes ainda, a marca patrocinava o top de cinco segundos do próprio JN. Ou seja, é quase uma tradição a Sadia na TV brasileira.

Além disso, o The Voice Brasil e quadros do Mais Você, como o Super Chef, tiveram produtos da BRF. Ana Maria Braga, inclusive, faz várias ações de merchandising da Perdigão em seu programa já há algum tempo.

Atualmente, a JBS é a segunda principal patrocinadora do SBT - só perde, evidentemente, para o Grupo Silvio Santos. Programas como Duelo de Mães, Raul Gil, Fábrica de Casamentos, Eliana e A Praça É Nossa, entre outros, são patrocinados pela empresa, além de um sem-número de comerciais veiculados.

Além disso, a JBS também é dona de um canal de televisão, o Canal Rural, um dos principais sobre o meio agropecuário, que é distribuído em antenas parabólicas e operadoras de TV por assinatura.

Para tentar fazer seus produtos venderem mais, a JBS contratou três das maiores estrelas do País: Fátima Bernardes, Tony Ramos e Roberto Carlos. Todos assinaram por cachês milionários. Fátima ganhou R$ 5 milhões pelo comercial da Seara. Tony fechou por R$ 3 milhões.

Já Roberto Carlos, que fez apenas um comercial - a primeira vez dele em mais de 20 anos, ganhou um salário mais que milionário: impressionantes R$ 25 milhões, segundo o mercado publicitário.

Dos três, Tony Ramos foi o único que se pronunciou. Ao site Ego, do Grupo Globo, disse estar surpreso com a operação contra a marca que popularizou o bordão "pergunta se é Friboi", mas afirmou que não tem nenhum contrato com a empresa.



"Estou surpreso com essa notícia. Eu sou apenas contratado pela empresa de publicidade, não tenho nenhum contato com a JBS", afirmou o ator.

Vale lembrar também que o dono da JBS, Joesley Batista, é casado com a jornalista e apresentadora Ticiana Villas Boas, do SBT, que já teve passagem com destaque na Band.

Ticiana atualmente apresenta o Duelo de Mães e já fez o Bake Off Brasil e o BBQ Brasil no canal - este segundo, um reality de churrascos, tinha patrocínio da BRF e da JBS e foi lançado para o mercado em um espaço da JBS, com as mais variadas carnes de churrasco do Brasil.

Segundo apurou o TV História, o escândalo caiu como uma bomba nas TVs, principalmente nos departamentos comerciais de Globo, SBT e Band, onde as duas empresas mais anunciam. A expectativa é ver os desdobramentos e depois decidir quais medidas serão adotadas nas negociações para cotas comerciais daqui para frente.

A JBS soltou um comunicado, onde nega com veemência que adultere qualquer tipo de carne para venda e diz que segue rigorosos padrões de qualidade.

"A JBS e suas subsidiárias atuam em absoluto cumprimento de todas as normas regulatórias em relação à produção e a comercialização de alimentos no país e no exterior e apoia as ações que visam punir o descumprimento de tais normas. A JBS no Brasil e no mundo adota rigorosos padrões de qualidade, com sistemas, processos e controles que garantem a segurança alimentar e a qualidade de seus produtos. A companhia destaca ainda que possui diversas certificações emitidas por reconhecidas entidades em todo o mundo que comprovam as boas práticas adotadas na fabricação de seus produtos. A Companhia repudia veementemente qualquer adoção de práticas relacionadas à adulteração de produtos - seja na produção e/ou comercialização - e se mantém à disposição das autoridades com o melhor interesse em contribuir com o esclarecimento dos fatos", diz o comunicado.

Já a BRF se pronunciou da seguinte forma:

"A BRF informa que, em relação à operação da Polícia Federal realizada na manhã desta sexta-feira, está colaborando com as autoridades para o esclarecimento dos fatos. A companhia reitera que cumpre as normas e regulamentos referentes à produção e comercialização de seus produtos, possui rigorosos processos e controles e não compactua com práticas ilícitas. A BRF assegura a qualidade e a segurança de seus produtos e garante que não há nenhum risco para seus consumidores, seja no Brasil ou nos mais de 150 países em que atua".


Deixe sua opinião



Leia também

Novelas

Por onde anda Cecília Dassi, a Sandrinha de Por Amor

A garotinha Sandrinha conquistou o Brasil na primeira exibição de Por Amor, exibida entre 1997 e 1998 pela Rede Globo. Cecília Dassi, tinha apenas sete anos quando interpretou a personagem. Depois disso, ainda atuou em diversos papeis na Rede Globo, mas abandou a carreira na televisão