Com maturidade e emoção, Carol Duarte protagoniza uma das melhores cenas do ano



A atual novela das 21h de Glória Perez, A Força do Querer, apresentou, nesta última terça, um dos momentos mais esperados pelo público. A aguardada reunião de família em que Ivana (Carol Duarte) revela que é um transgênero emocionou os telespectadores e arrancou vários elogios para os intérpretes envolvidos. Todos os desdobramentos que envolvem a transição de gênero da garota - que se descobriu um homem no corpo de uma mulher - renderam cenas icônicas, que já estão entre as melhores de 2017 na teledramaturgia.



Após um período de poucos acontecimentos, em função do forte foco na saga criminosa de Bibi (Juliana Paes), a história da jogadora de vôlei voltou a ganhar força no começo deste mês através da entrada de Tarso Brant, ator que nasceu mulher (Tereza Brant). A proximidade entre os dois logo despertou na filha de Joyce (Maria Fernanda Cândido) o sentimento de descoberta, aliviando a angústia que a afligia.

Pouco depois, Ivana começou a consumir testosterona, na esperança de que o hormônio masculino acelerasse sua transformação. Como efeito do tratamento sem orientação médica - outro acerto da autora -, ela apresentou um temperamento mais estourado e impaciente.

Ao mesmo tempo, ela se aproximou de Nonato (Silvero Pereira), que se traveste como mulher mas é feliz com seu corpo masculino. A amizade dos dois enriqueceu ainda mais a abordagem da identidade de gênero, que já vinha se desenhando de forma convincente com os paralelos entre os corpos dos dois personagens.

As notícias sobre o consumo de hormônio preocuparam Joyce e Eugênio (Dan Stulbach), a ponto de a dondoca se desesperar achando que a filha estava usando drogas. Até que, no fim do capítulo da segunda-feira, Ivana finalmente revelou para a família sua condição.

As cenas exibidas na terça foram marcadas pelo choque, a incompreensão e a incredulidade de todos, aliados ao desespero da mãe, que viu seus sonhos de transformar a jogadora em uma réplica sua - algo que ela confessou recentemente, como forma de projetar na filha sua juventude - caírem por terra. E o momento foi propício para que todos os atores presentes brilhassem em desempenhos extraordinários, a começar pela própria Carol Duarte.

A atriz, já elogiada aqui no TV História, não se cansa de surpreender por sua maturidade e entrega cênica impressionantes para uma estreante. Em todos os momentos, Carol formou grandes parcerias e deu muita credibilidade ao sofrimento de Ivana por se sentir em um corpo diferente do seu biológico.

Agora não foi diferente. Um show absoluto, que em algumas passagens não precisou de qualquer texto. Só o expressivo olhar da atriz já dizia tudo que a personagem queria passar. Um desempenho de arrepiar, que ainda trouxe junto com ela as grandes atuações de Maria Fernanda Cândido, Dan Stulbach e Juliana Paiva.

Uma menção especial deve ser feita à devastadora cena em que Ivana corta seu cabelo e comemora, sentindo-se livre, funcionando como um ótimo contraponto à tristeza de Joyce ao ver seus planos caírem por água abaixo. Maria Fernanda Cândido, que vive um de seus melhores papeis, brilhou junto com Carol nesta sequência sensacional. O choque da notícia ainda serviu para aproximar a socialite do marido, juntos e unidos pelo drama da filha.

Deve-se também destacar a cena em que Simone conta sobre Ivana ao pai, o que o deixou estarrecido e o fez expor mais uma vez seus preconceitos (muito comuns em comentários de grandes portais). Numa conversa com Nonato, Eurico chegou a imaginar o motorista travestido como sua personagem Elis Miranda, o que rendeu um divertido ponto de leveza à tensão mostrada no capítulo.

Perto do final, outra grande cena reafirmou o acerto da abordagem: o momento em que Ivana termina de cortar seu cabelo, conquistando o visual masculino que tanto idealizava. Mais uma vez, o trabalho corporal e a expressividade de Carol Duarte emocionaram. As únicas palavras ditas foram as da belíssima canção De Toda Cor, cantada por Renato Luciano, Ney Matogrosso e outros artistas.

O grandioso capítulo de ontem, pautado na transição de Ivana, também contou com ótimas cenas de outros núcleos, como o sumiço de Rubinho (Emílio Dantas), que revoltou Bibi; a participação da sertaneja Marília Mendonça na gafieira Estudantina e o gancho em que Garcia (Othon Bastos) e Irene (Débora Falabella) finalmente ficam cara a cara.

Todo este conjunto credencia A Força do Querer para ser a melhor novela de Glória Perez em sua carreira, superando até mesmo a icônica O Clone, cuja fórmula foi repetida em suas obras posteriores sem o mesmo bom resultado.

A autora superou as desconfianças até então existentes após o fracasso de Salve Jorge (2012-13), soube se reinventar e resgatou a mobilização do público em uma novela das nove, graças ao seu enredo denso. O resultado é o seu merecido fenômeno de audiência, com médias recentes de mais de 40 pontos.

O misto de choque e incompreensão da família, a liberdade de finalmente se revelar transgênero e o talento de Carol Duarte foram algumas provas deste conjunto acertado, que rendeu as melhores cenas do ano até aqui. E os capítulos seguintes ainda reservam mais emoções, abordando as dificuldades que Ivana sofrerá por ser trans. Fica a expectativa para mais grandiosas cenas da atriz revelação do ano.

Leia também: 31 de agosto na história da TV: em 2015, estreava A Regra do Jogo

Leia também: Assim como A Força do Querer, 6 capítulos de novelas das 21h que pararam o país num 29 de agosto




commentDeixe sua opinião
menu