Com trama densa e elenco arrebatador, Entre Irmãs é adaptação certeira



Desde 2011, a Globo tem optado por, em sua programação de janeiro, fazer microsséries a partir de filmes, dividindo-os em capítulos e inserindo material inédito. A decisão nem sempre é bem vista, sendo às vezes encarada como contenção de custos em vez de uma produção totalmente nova. Entretanto, a mais recente adaptação se revelou um grande acerto: o emocionante filme Entre Irmãs, fracionado em quatro capítulos exibidos durante esta semana.



Baseada na obra A Costureira e o Cangaceiro, de Frances de Pontes-Peebles, escrita por Patrícia Andrade (roteirista de filmes como Gonzaga, de Pai Pra Filho, 2 Filhos de Francisco e coautora da impecável série O Canto da Sereia) e dirigida por Breno Silveira (dos mesmos Gonzaga e 2 Filhos), a série coproduzida com a Conspiração Filmes traz um enredo arrebatador e de pura emoção, enriquecido por um elenco de puro talento.

A história se desenrola a partir das irmãs Emília (Marjorie Estiano) e Luzia (Nanda Costa), que vivem em Taquaritinga do Norte, interior de Pernambuco. A primeira sonha em se casar e se mudar para a capital, enquanto a outra sofre por ter um braço atrofiado. Criadas pela tia Sofia (Cyria Coentro), as duas são costureiras competentes e chamam a atenção do bando de cangaceiros liderado pelo temido Carcará (Júlio Machado), que as obriga a costurar para o grupo.

Luzia é obrigada a ir com os cangaceiros e abandona a irmã e a tia, que morre. Ao mesmo tempo em que lida com a vida difícil no cangaço, Luzia se envolve com Carcará, cuja mãe foi morta por um coronel. Emília conhece Degas (Rômulo Estrela) e se casa com ele, mudando-se para Recife.

Encantada com a modernidade da capital, ela se vê obrigada a lidar com os preconceitos dos pais do rapaz, Dulce (Rita Assemany) e Dr. Duarte (Cláudio Jaborandy), escondendo deles que é irmã de uma cangaceira. Ao mesmo tempo, percebe a ilusão de um grande amor ao descobrir que Degas gosta de um amigo, Felipe (Gabriel Stauffer) - o que a faz compreender porque o rapaz não a deseja. Em compensação, Emília desperta a atenção de Lindalva (Letícia Colin), a moderna amiga de Degas, que a faz se descobrir como é.

A autora Patrícia Andrade desenvolveu o enredo de forma a trabalhar a ligação entre as irmãs, que, mesmo separadas, seguem unidas na memória de cada uma. Merece elogios também o paralelo entre a força de Luzia numa vida totalmente difícil e a fragilidade de Emília em meio às desilusões na cidade grande, bem como as diferentes relações das irmãs com o amor: Luzia, que nunca acreditou nisso, sentiu-se amada de verdade ao lado de Carcará, enquanto a outra irmã via seu universo de sonhos ruir ao conhecer o outro lado do homem que ela acreditava ser seu grande amor.

O elenco é um show à parte. Nanda Costa, intensamente criticada em Salve Jorge (2012-13) ao interpretar a fracassada protagonista Morena, virou o jogo na atual obra. Além de se destacar como Sandra Helena na insossa Pega Pega, a atriz expõe sua versatilidade na pele de Luzia, uma jovem sofrida e de personalidade dura e seca, conformada com sua triste realidade.

Marjorie Estiano não deixa por menos. Uma das melhores de sua geração, ela encanta pela sensibilidade que imprime à fragilidade de Emília, seu deslumbramento com a modernidade da cidade grande em oposição à aridez do sertão em que vivia e a desilusão ao saber que não é desejada. Sua parceria com Nanda rende cenas lindíssimas e de emoção pura.

Ainda brilham nomes como Rômulo Estrela (ótimo como Degas), Cláudio Jaborandy (interpretando um personagem diferente dos perfis "rabugentos"), Rita Assemany (excelente como a preconceituosa Dulce), Letícia Colin (em grande fase e deslumbrante na pele de Lindalva), Júlio Machado (excepcional com sua interpretação do perigoso Carcará), Fábio Lago (ótimo como o ameaçador Orelha e bem mais natural do que o afetado Nick de O Outro Lado do Paraíso) e Cyria Coentro (que deu um show de emoção no primeiro capítulo, em especial na cena da morte de Sofia).

Outro destaque é a linda abertura, remetendo a obras como Cordel Encantado, e contando com a belíssima canção Aponte, interpretada por Maria Bethânia e composta por Nanda Costa em parceria com o músico pernambucano Sambê e a percussionista Lan Lanh (que integrou a banda da saudosa Cássia Eller e fez parte do grupo Moinho, ao lado de Emanuelle Araújo).

A adaptação de Entre Irmãs para série foi um acerto por dois motivos. O primeiro é o melhor fluxo do ritmo da história, que parece arrastado no filme original em virtude de sua extensa duração (2 horas e 40 minutos). Com a quebra em capítulos, cada fração aproveita melhor o que o enredo tem a oferecer, somada à inclusão de cenas inéditas.

A segunda é a própria escolha do título. Algumas versões decepcionaram por serem títulos desinteressantes (como Mais Forte Que o Mundo e Serra Pelada) ou por adaptações equivocadas (como em Tim Maia, que suprimiu trechos polêmicos). Agora, o público conheceu uma história realmente densa e atrativa, marcada pela intensa ligação entre as protagonistas e suas conquistas e desatinos.

Todo este conjunto faz de Entre Irmãs a melhor microssérie exibida a partir da divisão de um filme original. Um enredo tocante e arrebatador, abrilhantado por um elenco em estado de graça (em especial as protagonistas Marjorie e Nanda Costa), com uma trilha sonora belíssima, lindas imagens e um bom ritmo, mais dinâmico do que se exibido de uma vez só. Um produto praticamente impecável, merecedor de todos os elogios.


Deixe sua opinião



Leia também

Novelas

Por onde anda Cecília Dassi, a Sandrinha de Por Amor

A garotinha Sandrinha conquistou o Brasil na primeira exibição de Por Amor, exibida entre 1997 e 1998 pela Rede Globo. Cecília Dassi, tinha apenas sete anos quando interpretou a personagem. Depois disso, ainda atuou em diversos papeis na Rede Globo, mas abandou a carreira na televisão