4 mexicanas e a reprise de Éramos Seis: a grade repleta de novelas do SBT em 22 de janeiro de 2001



Cinco horas de novela. É mole ou quer mais? Para o público do SBT, quanto mais folhetim, melhor. Foi com o pensamento fixo nesta ideia que, em 22 de janeiro de 2001, Silvio Santos substituiu a primeira versão de Chiquititas (1997), após cinco temporadas, por duas produções: a reprise de um clássico do canal e uma mexicana infantil inédita. As tramas se somaram a outros três dramalhões da melhor qualidade. Relembre abaixo a grade de programação da emissora neste dia tão "teledramatúrgico"!



O SBT entrava no ar às 6h40, com a Sessão Desenho. Naquele tempo, a faixa, que já havia contado com Vovó Mafalda (Valentino Guzzo) e Eliana, exibia apenas um compilado de animações, sem apresentador. Clássicos dos estúdios Hanna-Barbera / Warner Bros., como Corrida Maluca, Ligeirinho, Patolino, Pernalonga e Tom & Jerry, ocupavam a maior parte da atração.



Hoje afastada da televisão, a loirinha Jackeline Petkovic - revelada no programa Fantasia (1997) - era quem conduzia o Bom Dia & Cia. (8h). O matutino dividia seu tempo entre clássicos dos desenhos, como ThunderCats e Cavalo de Fogo (ambos da Hanna-Barbara), com produções "fresquinhas" dos estúdios Disney, caso de Hora do Recreio e 101 Dálmatas. Esta foi a última temporada do 'Bom Dia' com o boneco Melocoton, figura exótica que tinha a gula como principal característica, remanescente dos tempos em que Eliana ancorava o programa (de 1993 a 1998).



Às 11h45, Festolândia! Assim como o Melocoton, o título desta faixa de desenhos também provinha dos tempos em que Eliana, então na Record TV, reinava absoluta na programação infantil do canal; Festolândia batizou a primeira atração (de curta duração) da loirinha no SBT. O principal cartaz: Pica-Pau, dos estúdios Walter Lantz e Universal Pictures, posteriormente convertido em curinga na programação da concorrente 'Record', que hoje o "esconde" nas manhãs de domingo. Já Os Simpsons, que atualmente cumpre a função de tapa-buraco na Band, era exibido às 12h45.



E quem foi criança, pré-adolescente ou adolescente nesta época certamente se lembra de Um Maluco no Pedaço, programa obrigatório na hora do almoço, pós-colégio (13h15). A série produzida pela NBC entre 1990 e 1996 havia estreado por aqui no ano anterior. Estrelada por Will Smith, a produção turbinou a audiência da faixa vespertina do canal de Silvio Santos. Em matéria publicada na Folha de São Paulo de 9 de junho de 2001, o jornalista Daniel Castro destacava o crescimento do SBT no horário, entre janeiro e maio daquele ano. A trinca Os Simpsons - Um Maluco no Pedaço - Chaves (13h45) empatava ou superava os índices atingidos pela Globo com o 'Esporte', Jornal Hoje e Vídeo Show.



O clássico Cinema em Casa (14h15) estava bem servido com a vigência do acordo entre o SBT e os estúdios Disney e Warner Bros. Na tarde de 22 de janeiro de 2001, por exemplo, a sessão recorreu ao romântico Enquanto Você Dormia (1995), que aborda a paixão de Lucy (Sandra Bullock), funcionária de uma estação de metrô, por um homem que ela só vê de longe, Peter (Peter Gallagher). Após um período em estado de coma, o jovem desperta acreditando que a moça é sua noiva. Lucy não se atreve a desfazer o engano - mesmo quando se apaixona por Jack (Bill Pullman), irmão de Peter.



E o que hoje chamamos de Novelas da Tarde era então conhecido como Tarde de Amor. A faixa, destinada a grandes sucessos da Televisa, exibia então seu folhetim de maior sucesso: Maria Isabel (1997), no ar às 16h15. A diva Adela Noriega estava à frente do enredo: a índia Maria Isabel deixava seu povoado para se empregar na casa do engenheiro Ricardo (Fernando Carrillo), pai da filha de uma amiga sua, já falecida. Maria e Ricardo acabam se casando; vivem felizes até a chegada de Mireia (Sabine Moussier), pianista que enlouquece o galã com seu charme. Nos capítulos daquela semana, Isabel era alertada pelo oportunista Gabriel (Sergio Basañes) a respeito da infidelidade de seu marido. Pior para o delator: Gabriel acabou assassinado. Enquanto isso, a protagonista abandonava a casa em que vivia para regressar às suas origens, hospedando-se na casa da madrasta, Chona (Mónica Miguel).



Na sequência, a premiada Coração Selvagem (17h15), de 1993, já exibida por aqui na CNT / Gazeta, sem repercussão. Em cena, a oposição de duas irmãs, a contida Mônica (Edith Gonzales) e a voluntariosa Aimée (Ana Colchero) e dois irmãos, o aristocrático André (Ariel López Padilla) e o bastardo João do Diabo (Eduardo Palomo). Quando a trama tem início, Mônica está em vias de perder André, seu noivo, para a irmã. Eis que a situação se inverte logo depois: o "almofadinha" decide reconquistar a ex, incitando-a acreditar que João morreu em um acidente de barco, na companhia de Aimée.



Decidido a apostar em teledramaturgia, Silvio Santos havia autorizado seus executivos a buscarem textos para retomar as produções próprias - mais adiante, ele próprio se encarregaria de assinar um acordo com a Televisa, para adaptar folhetins 'xicanos'. Como pontapé inicial, a reapresentação de Éramos Seis (1994), às 18h15, o maior êxito de toda a história da emissora no gênero "novela". A adaptação de Silvio de Abreu e Rubens Ewald Filho para a obra de Maria José Dupré, que já havia rendido uma versão na Tupi em 1977, substituiu o infantil Disney Club - encaixado nos sábados de manhã. 'Éramos', estrelada por Irene Ravache, serviu de "sala de espera" para a engaveta O Direito de Nascer, que a TV Aparecida exibe a partir de 14 de fevereiro, 19h00 e 22h30.

LEIA TAMBÉM: 23 anos do último capítulo de Éramos Seis; confira tudo o que rolou nos bastidores deste clássico



Silvio também já havia testados tramas mexicanas destinadas aos pequenos durante as férias de Chiquititas - com Luz Clarita, em 1999, e O Diário de Daniela, 2000. Natural que, para substituir a bem-sucedida novelinha produzida em parceria com a Telefe, o "patrão" fosse buscar outro folhetim de mesmo estilo. Assim, naquele 22 de janeiro, estreou Gotinha de Amor (19h20). Era a busca da abandonada Isabel (Andrea Lagunes) por sua mãe e de Maria Fernanda (Laura Flores) por sua filha; afastadas por Otávio (Téo Tapia), avô e pai das protagonistas, e unidas pelo camelô Jesus (Alejandro Ibarra), que acolhe Isabel e se apaixona por Fernanda.

LEIA TAMBÉM: Há 46 anos, Record encerrava novela que inspirou Gotinha de Amor, mexicana exibida no SBT



A "maratona teledramatúrgica" chegava ao fim às 20h15, com Esmeralda (1997). O SBT, sabemos bem, é apaixonado por esta novela: exibiu a versão venezuelana Topázio (produzida em 1984 e veiculada por aqui em 1992) e depois adaptou o texto, na excelente trama de 2004, estrelada por Bianca Castanho e Cláudio Lins. No México, Letícia Calderón e Fernando Colunga - galã de Maria do Bairro e A Usurpadora, no ar no Brasil em 1997 e 1999 - respondiam pelos protagonistas, Esmeralda e José Armando. Os dois, trocados de nascimento, se apaixonam, para desespero da tia dele, Fátima (Laura Zapata), que deseja casar o rico fazendeiro com sua filha, Graziela (Nora Salinas), apaixonada pelo peão Adrián (Alejandro Ruiz).



O Programa do Ratinho (21h10) ainda mantinha a linha sensacionalista que fez o sucesso do apresentador na Record TV - e que despertou o interesse de Silvio Santos por seu passe. No entanto, o 'Exame de DNA', que quase sempre culminava com agressões físicas entre os envolvidos, começava a perder espaço para quadros com calouros e esquetes humorísticas. Ou reportagens insanas, como esta acima, em que o apresentador "ensina" a piratear CDs. Com a mudança no conteúdo, Ratinho começava a angariar a simpatia do público, fortalecendo sua imagem junto aos patrocinadores.



Popular sem ser popularesca, Hebe Camargo batia ponto toda segunda-feira, 22h10. 2001 foi um ano vitorioso para a primeira-dama da TV brasileira. Após a estreia do reality-show Casa dos Artistas, em outubro, a loira passou a abastecer seu programa com pautas sobre convívio em grupo e sexo no confinamento. Cumpria a função, por assim dizer, que hoje cabe a Ana Maria Braga e ao Mais Você com relação ao Big Brother Brasil, da Globo: a de receber eliminados. O ápice se deu após a final. O Hebe de segunda-feira, 17 de dezembro, registrou 23 pontos de média e pico de 30, segundo o Ibope, na Grande São Paulo. A apresentadora presentou os doze confinados da atração e foi para debaixo do edredom com Alexandre Frota, talvez o mais polêmico participante da 'Casa'.



Hebe sempre encerrava o programa fazendo menção aos olhos claros de Hermano Henning, o então âncora do Jornal do SBT (0h). O jornalista também conduzia o SBT Notícias (1h30) - nada mais do que o jornal requentado -, boletim reprisado diversas vezes durante a madrugada.



Entre os dois telejornais, a penúltima versão do Programa Livre (0h30). A atração de Serginho Groisman seguiu no ar mesmo com a saída do apresentador, rumo à Globo, em 1999. Após apostar num rodízio com cinco comandantes - de Christina Rocha a Otávio Mesquita - Silvio Santos entregou o projeto a Babi Xavier, ex-VJ da MTV. Babi emplacou o 'Livre' nas madrugadas por um bom tempo; em 2001, contudo, o papo-cabeça sobre sexo e outras problemáticas relacionadas ao jovem já estava desgastado. Acabou remanejado para as tardes de sábado em setembro, onde permaneceu até sua extinção, em dezembro.




Leia também

Novelas

Por onde anda Cecília Dassi, a Sandrinha de Por Amor

A garotinha Sandrinha conquistou o Brasil na primeira exibição de Por Amor, exibida entre 1997 e 1998 pela Rede Globo. Cecília Dassi, tinha apenas sete anos quando interpretou a personagem. Depois disso, ainda atuou em diversos papeis na Rede Globo, mas abandou a carreira na televisão